A Vida de Brian: Leia Aqui as Piadas que Não Entraram no Filme – Parte 2

Ano passado, postei aqui algumas piadas que o Monty Python resolveu deixar de fora de A Vida de Brian.

Ontem, o jornal Mail Online, publicou mais algumas pérolas que não entraram no filme, e eu vou contar para vocês.

Veja Mais Em: A Vida de Brian: Leia Aqui as Piadas que Não Entraram no Filme

Segundo o jornal, o clássico da comédia teria ofendido ainda mais pessoas se a versão original do roteiro tivesse sido filmada.

Informações encontradas nos diários de Michael Palin, que agora fazem parte do arquivo da Biblioteca Britânica, revelam que o título do filme poderia ter sido “A Vida de Cristo”, e o roteiro era totalmente blasfemo.

CENA DELETADA

Uma cena que não entrou no filme contava com um garçom na Última Ceia.

Quando Jesus chegava com os discípulos, o garçom avisava que não tinha lugar para todos, mas que “eu posso conseguir duas mesas para dois e duas mesas para três”.

Em outro momento, José ficaria completamente envergonhado frente aos seus amigos, tendo que explicar como Jesus era filho de sua mulher mas não seu.

MESSIAS

Também teria a figura da cabeça decepada de João Batista, que não parava de falar. Além do rei Herodes, que seria conhecido como “a pior babá do mundo”.

Herodes também seria mostrado refletindo sobre a melhor maneira de lidar com a ameaça representada pelo menino Jesus.

Como alternativa, um cortesão iria sugerir:

“Por que não oferecemos uma recompensa para quem nos trouxer o Messias?”

A VIDA DE BRIAN

As notas de Michael Palin descrevem o personagem-título como uma figura religiosa, com referências a “São Brian”, “São Brian Gospel” e “São Brian, o único mártir a morrer de velhice”.

Um final alternativo incluía a leitura de “O martírio de São Brian”, que mapeava toda sua vida, suas travessuras sexuais com algumas “donzelas do Oriente” e sua ascensão ao céu.

Segundo o jornal Mail Online, os membros do Monty Python foram aconselhados a abandonar algumas piadas por seus advogados.

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *