Neil Gaiman Conta Como Conheceu Monty Python

Em uma entrevista para o jornal inglês The Guardian, o escritor Neil Gaiman contou como conheceu os membros do Monty Python.

Na ocasião em que conheceu Terry Jones, ele era um jornalista de 23 anos, e teria de entrevistar o python. “Eu cheguei em sua casa e ele disse ‘você gostaria de beber alguma coisa?’. E eu disse ‘café seria bom’. Ele disse ‘Chablis, então'”.

Gaiman, então, ficou bêbado na casa de Jones. “Uma grande garrafa apareceu, seguida por outra, seguida por outra, e no ponto em que saí da entrevista – felizmente foi gravada – só me lembro de deitar nos banheiros dos homens, em um pequeno restaurante londrino, enquanto o teto rodava. Eu só ficava pensando ‘acabei de entrar no mundo Python'”.

MARAVILHOSO

Tempos depois, Gaiman se tornou amigo de Terry Gilliam. “Ele é único, brilhante e maravilhoso. E às vezes tenho que me lembrar que, além de ser Terry Gilliam, o grande diretor e visionário, ele também é o Cardeal Fang, aquele que tagarelou sobre a Inquisição Espanhola”.

Apesar de nunca ter conhecido Michael Palin, Gaiman é fascinado por todos os Pythons. “John Cleese é John Cleese. Ele é aquela coisa que você vê em todas as versões de Cleese, o hermetismo, o constrangimento, o inglesismo, a perturbação de estar vivo, é Cleese”.

SURREAL

“E a gloriosa cordialidade galesa de Terry Jones, é o oposto do constrangimento de Cleese: a propensão em ficar nu ao tocar órgão ou ser uma senhora sempre que possível. E Terry Gilliam, com sua sensibilidade incrível de um cartunista, um surrealista visual”.

Finalizando, Neil Gaiman afirmou que todos nós precisamos dessas pessoas, da mesma forma como precisamos dos Beatles: “Você tinha quatro pessoas talentosas, mas juntos você tinha os Beatles. E eu acho que é tão incrivelmente verdade quando se trata de Monty Python”.

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *