Curiosidades de “A Vida de Brian”

monty-pythons-life-of-brian-apedrejamentoA CENA do homem condenado (John Young) por apedrejamento foi escrita por John Cleese e Graham Chapman, que pediu alguns conselhos a um dos vigários da Rainha sobre o uso do nome Jeová (e como ele não deveria ser falado).

OS PYTHONS foram para Barbados escrever o filme. Sem esposas, namoradas ou outros compromissos eles puderam deixar fluir as ideias, sem interrupção. Nessa época, a banda The Who estava no país, e o então baterista, Keith Moon, começou a andar com eles, até que foi convidado para fazer uma participação como um dos pregadores. Terry Jones contou que a última vez em que viu Keith Moon, ele veio correndo em sua direção, o abraçou e disse “Não vejo a hora de fazer Brian! Já decorei minha fala!”. Na manhã seguinte, Keith Moon estava morto.

QUANDO John Cleese terminou a escola, ele se tornou professor de latim e deu aula por vários anos. Isso ajudou na cena em que o centurião ensina Brian a escrever direito.

PARA A cena da pichação, Gilliam montou as letras em pedaços de acetato que foram filmadas sobrepostas e em camadas para torná-la crível.

ALGUMAS das frases usadas para divulgar o filme: “Um filme destinado a ofender quase dois terços do mundo civilizado. E irritar severamente o outro terço”; “Veja o filme que é controverso, sacrílego e blasfemo. Mas se não estiver passando, veja A Vida de Brian”; “Tão engraçado que foi banido na Noruega”; “Faz Ben-Hur parecer um épico”.

O SITE espanhol ZoomNews fez uma lista chamada “Que filmes os indies assistem quando estão de ressaca?” As bandas MoonflowerNani Castañeda de Niños Mutantes e Eduard Pou Za! afirmaram que assistem ao bom e velho A Vida de Brian. Para o site, Monty Python é considerado “uno de los remedios preferidos por nuestros músicos”. O pessoal da banda Eduard Pou Za! disse que “Monty Python é ótimo para ressaca. Graham Chapman que o diga”.

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *