Eric Idle Fala da Sua Coleção de 30 Violões

01Em entrevista ao Financial Times, do dia 15 de fevereiro, o Python Eric Idle contou que, para manter a forma, costuma fazer levantamento de peso… embaixo d’água, falou da sua coleção de violões e da maior realização de sua vida: seus filhos.

Acompanhe aqui um trecho dessa entrevista:

Ambição ou talento: o que é mais importante para o sucesso?
Talento é sempre mais interessante – ambição não é interessante. Se você tem talento, você tem que encontrar maneiras de expressá-lo.

Politicamente falando, como você está comprometido?
Nem um pouco. Rir de todos eles é o meu trabalho como comediante.

O que você gostaria de possuir que ainda não possui?
A primeira edição de Shakespeare.

Qual é a sua maior extravagância?
Eu tenho cerca de 30 violões. Eu amo um violão artesanal. Eles são tão bonitos. Minha outra extravagância são os livros.

Se você tivesse um brasão de armas, como seria?
Violões cruzados, um livro aberto, alguns dos passarinhos do colégio Pembroke, onde começou tudo isso em minha vida, e notas musicais.

Qual é a maior realização de sua vida até agora?
Crianças são a melhor realização. Eu tenho um filho e uma filha. Manter uma relação com a mesma mulher há 35 anos é um grande feito também.

Qual foi sua maior decepção?
Não ter um pai. Eu aprendi a ser pai. Eu não fui muito bom na primeira vez – meu filho me perdoou – mas estive melhor na segunda vez, quando disse, “Nada vai ficar entre mim e ser um pai”.

01Se você perder tudo amanhã, o que você faria?
Se eu tiver a minha esposa e filhos, eu não estou perdendo nada. Eu vou continuar a fazer o que estou fazendo – escrever. Essa é a aventura que me faz continuar.

Você acredita em vida após a morte?
Não.

Se você tivesse que classificar a sua satisfação com a vida, de 0 a 10, que nota dá?
Onze. Estou muito, muito recompensado.

(Hester Lacey – Financial Times – 15-02-2013)

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *