Jornal Lista os 10 Melhores Esquetes do Monty Python

OS 10 melhores esquetes do Monty PythonEntrando na onda da série Flying Circus na Netflix, o jornal britânico The Telegraph fez uma lista com os 10 Esquetes Mais Engraçados do Monty Python.

Então, sem mais delongas, aqui vai a lista:

10. Nudge, Nudge

Escrito por Eric Idle, esse esquete mostra um homem (Idle) que faz algumas perguntas impertinentes a outro homem (Terry Jones) num pub.

Mas, durante o diálogo, ele faz 15 maneiras diferentes de insinuações sexuais.

Uma curiosidade interessante é que o termo ““Nudge, nudge” entrou para o dicionário Cambridge como uma frase que implica insinuação sexual

Veja Mais Em: Flying Circus: O Esquete Sexual que Entrou Para o Dicionário

9. Four Yorkshiremen

Originalmente escrito para o programa At Last the 1948 Show, esse esquete foi reaproveitado no especial Monty Python Ao Vivo no Hollywood Bowl.

Quatro senhores endinheirados (Michael Palin, Eric Idle, Graham Chapman e Terry Jones) discutem seus princípios com histórias cada vez mais exageradas e absurdas.

Mas esse esquete nunca foi apresentado na série.

8. Argument Clinic

Nesse esquete, Michael Palin e John Cleese travam um diálogo maravilhoso quando Palin entra em uma cabine de discussão.

Ele escolhe ter uma discussão de cinco minutos, mas isso já é motivo para a discussão em si.

7. The 127th Upperclass Twit of the Year Show

Cinco elegantes idiotas de alta classe (Michael Palin, Graham Chapman, John Cleese, Terry Jones e Eric Idle) se reúnem no Hurlingham Park para ultrapassar obstáculos como Caminhando ao Longo da Linha Reta e O Salto da Caixinha de Fósforos.

Veja Mais Em: Flying Circus: A Competição Mais Idiota do Mundo 

https://www.youtube.com/watch?v=_a-bJZiKvwc

6. The Dirty Fork

Um casal (Carol Cleveland e Graham Chapman) está jantando em um restaurante. De repente, o rapaz avisa o garçom que seu garfo está sujo, isso leva a uma sucessão de desculpas e atos violentos entre os funcionários.

Veja Mais Em: Flying Circus: O Único Esquete com Punchline

5. The Piranha Brothers

Um programa de atualidades chamado “Ethel the Frog” apresenta a história dos irmãos Piranha, Doug e Dinsdale, notórios gângsters, e sua – talvez – captura pelo Superintendente Harry.

Baseado na real história dos gêmeos Kray, os Piranha atuaram com intimidação e violência – mas suas maneiras eram impecáveis.

Veja Mais Em: Flying Circus: Os Gêmeos Piranha

4. Hell’s Grannies

Uma cidade é aterrorizada por gangues de velhinhas que atormentam jovens indefesos, protestam em performances de matinê de The Sound of Music e picham muros com os dizeres “Make tea not love”.

Veja Mais Em: Flying Circus: As Vovós Arruaceiras 

3. The Lumberjack Song

Escrito em 15 minutos porque ninguém conseguia pensar em um final para o Esquete do Barbeiro Suicida, este cativante lenhador conta sua preferência pelo estilo cross-dresser.

Veja Mais Em: Pythoneando II – Sobre SPAM e a canção do lenhador travesti

https://www.youtube.com/watch?v=L6gdOe7eVQE

2. The Killer Joke

A piada mais engraçada do mundo. Uma piada tão engraçada que o homem que a escreveu ri até a morte.

Depois que os testes militares confirmam sua “eficácia devastadora em um raio de até 50 metros”, os Aliados usam a piada para vencer a guerra.

É claro que nunca nos é contada a piada de verdade, além de uma tradução em alemão – o que acaba sendo algo sem sentido.

Veja Mais Em: A Estreia do Monty Python’s Flying Circus na Televisão 

1. The Dead Parrot

Talvez o esquete mais famoso do grupo. Ele foi inspirado na história de um mecânico que se recusou a aceitar que havia um problema com o carro de um dos pythons.

Naturalmente, não existe pássaro como o norueguês, embora este tenha se tornado o apelido de um papagaio escandinavo fossilizado de 55 milhões de anos.

Veja Mais Em: Flying Circus: O Papagaio Morto do Monty Python

https://www.youtube.com/watch?v=h9RTG3tQcIc

E você, já fez a sua lista com os 10 Esquetes Mais Engraçados do Monty Python?

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *