Exposição Exibe Livro Censurado do Monty Python

Vocês sabiam que o Monty Python já foi censurado várias vezes?

Inclusive dentro da Universidade de Oxford (onde estudaram Terry Jones e Michael Palin).

Veja Mais Em: Show do Monty Python Sofreu Censura!

Uma obra pythonesca que entrou no index dos livros proibidões que incomodam a pessoas de bem, é o livro “The Brand New Monty Python Bok”.

Publicado em 1973, esse livro foi considerado sexualmente explícito demais, e agora está sendo exibido como parte de uma exposição de material censurado pela biblioteca da universidade de Oxford.

Mas o que esse livro tem de tão safadinho? (nudge, nudge).

SAFADO

O “The Brand New Monty Python Bok” tem uma capa simples, completamente branca com o título.

Mas é uma capa falsa.

A capa verdadeira, que está dentro da capa falsa, mostra um livro chamado “Tits ‘n Bums” (Tetas e Bundas), e tem o subtítulo “Um olhar semanal na arquitetura da igreja”.

E na foto da capa, três mulheres nuas estão entrelaçadas, com a fita do censor escondendo a boca, o umbigo e a aliança de casamento de uma delas.

CENSURA

Durante a era vitoriana, a Biblioteca Bodleian criou um espaço restrito, onde ficavam os livros considerados imorais.

Quando o livro pythonesco foi lançado, ele logo foi colocado nesse espaço restrito (porque é um livro muito sem vergonha).

Esse espaço permaneceu em uso até recentemente, com cerca de 3 mil itens, desde trabalhos científicos e estudos acadêmicos de culturas antigas até romances que antes eram controversos, mas que agora são reconhecidos como importantes obras literárias.

Segundo o bibliotecário Richard Ovenden, essa exibição de material censurado chama a atenção para uma coleção fascinante, mas pouco conhecida. “Ela revela como os bibliotecários navegaram na tensão entre disponibilizar materiais para pesquisas acadêmicas e, ao mesmo tempo, proteger os leitores”.

EXPOSIÇÃO

Além do livro “The Brand New Monty Python Bok”, a exposição inclui:

– “O Retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde, que foi restringido por causa de seu subtexto homoerótico e da notoriedade de Wilde;

– Recortes de imprensa relacionados com a restrição de certos textos médicos, que foram reclassificados e colocados em prateleiras abertas na década de 1930;

– O “Kama Sutra”;

– O livro “Sex”, de Madonna

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *