O Cavaleiro Negro

Black-Knight-monty-pythonComo seu nome sugere, ele é um cavaleiro negro que guarda uma “ponte” (na realidade, uma pequena prancha de madeira) sobre um pequeno riacho, (que poderia ter sido facilmente atravessado), no filme Monty Python Em Busca do Cálice Sagrado.

Extremamente hábil em esgrima, ele sofre de excesso de confiança e uma recusa em desistir.

No filme, o Rei Arthur (Graham Chapman), acompanhado por seu fiel servo Patsy (Terry Gilliam), está viajando através de uma floresta, quando ele entra em uma clareira e observa uma luta ocorrendo entre O Cavaleiro Negro (John Cleese) e o Cavaleiro Verde (Gilliam).

Como Arthur observa, o Cavaleiro Negro derrota o verde, atravessando a espada nos olhos do oponente.

Arthur parabeniza o Cavaleiro Negro e oferece-lhe um lugar na Távola Redonda, mas o Cavaleiro Negro fica parado segurando sua espada, sem responder nada.

Até que Arthur se move para atravessar a ponte, e o Cavaleiro Negro o impede.

Arthur ataca o Cavaleiro Negro e, depois de uma curta batalha, o braço esquerdo do Cavaleiro é arrancado.

O Cavaleiro Negro olha para o braço caído e diz:

“Foi só um arranhão”

arthur-knight-blackNa insistência de lutar com o Rei Arthur, seu braço direito é arrancado, mas o cavaleiro ainda não admite e passa a chutá-lo, acusando-o de covardia. Em resposta aos pontapés e insultos, Arthur corta fora a perna direita do Cavaleiro Negro.

Porém, ele insiste em lutar sem os braços e com uma perna só. Arthur pergunta:

“O que você vai fazer? Vai sangrar em mim até vencer?”

Finalmente Arthur arranca a perna esquerda do Cavaleiro, que ficou reduzido a um toco de homem. Arthur chama Patsy e sai, deixando o Cavaleiro Negro caído, gritando ameaças.

“Fugindo, hein? Volte aqui pra eu morder suas pernas!”

Para saber mais curiosidades sobre o Cavaleiro Negro, clique aqui e adquira o livro “A História (quase) Definitiva de Monty Python

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *