Otto, o Nazista do Monty Python

02Do filme “A Vida de Brian”, cinco cenas foram deletadas (um total de 13 minutos).

Desses 13 minutos, uma quantidade desconhecida de material bruto foi destruída em 1998 pela empresa que comprou a Handmade Films, que produziu o filme.

No entanto, um número desse material foi exibido no ano seguinte, no Canal Paramount Comedy, no Reino Unido.

As cenas mostradas incluem o sequestro da esposa de Pilatos (uma grande mulher, interpretada por John Case); a cena que mostra o personagem Otto e uma cena em que a esposa de Pilatos alerta Otto para a captura de Brian.

SUÁSTICA
Os cortes mais polêmicos foram as cenas envolvendo esse tal Otto, inicialmente um personagem recorrente, com um bigode estilo Adolf Hitler, que falava com sotaque alemão e gritava acusações de “impureza racial”.

Otto é o líder do Esquadrão Suicida que aparece no fim do filme

ottoO logotipo da Frente Popular Judaica, desenhado por Terry Gilliam, é uma estrela de Davi com uma pequena linha adicionada a cada ponto, fazendo se parecer com uma suástica.

Os membros desta facção também tinham os mesmos tipos de bigode e usavam capacetes semelhantes aos capacetes nazistas.

A razão oficial para o corte foi de que os diálogos de Otto abrandaram a narrativa.

Idle disse ter sido desconfortável fazer esse personagem:

“É um ataque muito selvagem ao pensamento sionista, sugerindo que é bastante semelhante ao nazismo”

O historiador David Nash, da Universidade de Oxford, disse que a remoção das cenas do filme do Monty Python representou “uma forma de autocensura”, e a sequência de Otto foi cortada “no interesses de suavizar a forma de distribuição do filme na América”.

A cena com Otto que permanece no filme é durante a sequência de crucificação, quando ele chega com seu “esquadrão suicida” e, em vez de fazer algo útil, eles cometem suicídio na frente da cruz.

Thiago Meister Carneiro

Jornalista Especialista em Estudos Linguísticos e Literários, 38 anos na cara. Às vezes grava o podcast Pythoneando, e às vezes assiste Monty Python na Netflix. Autor do livro "A História (quase) Definitiva de Monty Python"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *